div
buscar
FILTROS:
PRODUTO
FORNECEDOR
ESTADO
CIDADE
 

<EDIÇÃO 228>


EDIÇÕES ANTERIORES
2018
2017
2016
2015
2014
2013
2012
2011
2010
2009
2008
2007
2006
 

Stam nasceu com DNA para ações socioambientais

Stam nasceu com DNA para ações socioambientais
O tempo passou e a indústria cresceu. Surgiram novos desafios, novos projetos, e a Stsam manteve a perseverança nos mesmos ideais: produtos que ofereçam segurança e qualidade ao alcance de todos. Seo Chico Faria deixou para cada um dos seus colaboradores o exemplo de que é possível vencer com ética e dignidade.
Educação e treinamento
Stam acredita que a fórmula do sucesso para qualquer sociedade é ter os seus cidadãos educados, e dentro de uma organização empresarial não deve ser diferente. Assim, mantém nas dependências da empresa o Centro Educacional Francisco Faria (CEFF) em parceria com o Sesi que oferece aos colaboradores a oportunidade de continuar os estudos no ensino fundamental e médio. Nesses últimos três anos, cerca de 170 alunos já concluíram um dos segmentos e boa parte sentiuse motivada a buscar formação acadêmica. No CEFF também são oferecidos cursos de informática e capacitação na área administrativa para garantir que o funcionário tenha a oportunidade de desenvolver os seus talentos e potencialidades. Estão na quarta turma, e durante oito semanas são ministradas noções da área administrativa, técnica e produtiva inerentes à estrutura de uma empresa. Entre os assuntos abordados, estão o atendimento ao público externo e interno, comportamento organizacional, benefícios, atendimento telefônico, marketing pessoal, conhecimento do produto, trabalho em equipe, técnicas de cobrança, qualidade no trabalho e controle financeiro, entre outros. Alguns deles resultaram na concepção de um novo produto que pode se tornar sucesso em vendas. Mas o mais importante para a Stam é atrair talentos, melhorar a qualificação de seus profissionais, valorizar o ser humano e promover um ambiente de trabalho motivador.
Projeto Gol de Placa
Atualmente, o projeto atende a cerca de 200 crianças e adolescentes de diversos bairros de Nova Friburgo no espaço do 11° Batalhão de Polícia Militar. A missão do Gol de Placa é, a partir da prática esportiva, promover a proteção integral de crianças, jovens e adolescentes, inserção na comunidade e a formação de cidadãos conscientes de seus direitos e atuantes na sociedade.
O Projeto tem como missão:
 ? promover a prática esportiva em todas as classes sociais, fazendo com que as crianças, jovens e adolescentes desenvolvam uma visão coletiva; ? permitir o desenvolvimento físico, psicológico e social, de maneira saudável, orientada e com acompanhamento técnico; ? propiciar às crianças, aos jovens e adolescentes o conhecimento técnico, tático, disciplinar, solidário, e integrar o aluno, professor, família e comunidade, atendendo à perspectiva de inclusão social; ? oferecer reforço escolar nas disciplinas de Português e Matemática do 3º ao 9º ano escolar, com 2 horas de aulas todos os sábados, em uma sala cedida pelo 11° Batalhão de Polícia Militar.
Demais patrocínios:
 No quadro de colaboradores, há diversos talentos naturais para o esporte, a música e a literatura que recebem o apoio financeiro da empresa.
A empresa também patrocina atividades culturais e esportivas da comunidade. O time de futebol profissional Friburguense Atlético Clube é um deles. É a forma de apoiar a modalidade e projetar o nome da cidade para todo o País.
O processo de fabricação dos produtos STAM vai além dos investimentos em tecnologia, matéria-prima e mão-de-obra especializada.
A preocupação com o meio ambiente é pauta constante nos projetos da indústria. Assim, acatando o que rege a Comissão Estadual de Controle Ambiental (CECA) e a Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (FEEMA), a Stam conseguiu junto a esses órgãos a licença de operação por cumprir as condições ideais de controle de carga orgânica em efluentes líquidos de origem industrial; de carga orgânica biodegradável em efluentes líquidos de origem sanitária; da toxidade em efluentes industriais, aprovação no manifesto de resíduos e sua destinação; na emissão dos ruídos advindos do processo fabril outorgado pelo Conama; de direito à utilização dos recursos hídricos de domínio do Estado do Rio de Janeiro e manter preservada a cota de reflorestamento na bacia do rio Bengalas.
Paralelamente, a Stam é uma das patrocinadoras do projeto Florestar e Cia., que tem como objetivo desenvolver ações junto à comunidade para reverter as ações de degradação da natureza. Em 2008, fecharam mais uma parceria com o projeto para promover educação ambiental nas escolas públicas de Nova Friburgo, que tem recebido total apoio das instituições de ensino.
 
Esta entrevista exclusiva à Revenda, Gustavo Faria conta um pouco mais das ações da empresa na comunidade
Revenda - Qual a importância de a Stam estar próxima da comunidade?
Gustavo Faria - É por causa de um histórico familiar. Meu pai, Francisco Faria, fundador da empresa, que faleceu em 2006, começou a empresa há 38 anos e sempre foi muito preocupado em estruturar a empresa com gente do bem, comprometida com a empresa utilizando mão-deobra local. E deu sorte, porque começou com funcionários comprometidos com isso e crescemos por causa disso. Sempre tratamos nossos funcionários com respeito e dignidade que foi o espelho da minha vida. Via meu pai acordando de madrugada para montar os produtos e até a minha mãe ajudava. Estar perto da comunidade é ter o reconhecimento dos habitantes de Nova Friburgo, cidade que sempre nos acolheu muito bem. Desde 1980 estamos com unidade fabril em Conselheiro Paulino, uma cidade com 55.000 pessoas, sendo que empregamos 1.100 funcionários, a maioria local, e percebemos o desenvolvimento da região depois da vinda da Stam. Hoje existe um polo industrial muito grande na cidade que emprega milhares de pessoas. Estou impressionado como cresce a construção civil nesta região.
Revenda - Como a empresa seleciona os projetos que vai ?patronar??
Gustavo Faria - Selecionamos os projetos com a maior seriedade possivel e criamos um canal em nosso site para que as empresas interessadas possam enviar os projetos para que todos os envolvidos no processo possam avaliar a viabilidade. Havia um histórico de as pessoas mandarem seus pedidos em um pedaço de papel e sempre pedindo dinheiro. Resolvemos criar algumas regras, pos no tempo do meu pai ele tirava dinheiro do próprio bolso para ajudar todo mundo. Hoje temos o website onde é cadastrado o projeto e pedimos uma descrição. Notamos que a maioria das pessoas querem o patrocínio, mas não sabem nem formatar o projeto e, por isso, fica difícil de acreditar na idoneidade do projeto. Avaliamos, principalmente, se não há interesse político pois não admitimos que a marca da nossa empresa esteja envolvida com politica. O projeto tem de ser voltado e focado para o bem das crianças. A imagem é muito importante, e trabalhamos duro para fazer uma marca forte, respeitada e não podemos fazer qualquer coisa. As pessoas entendem e respeitam a nossa decisão porque sabem da seriedade dos nossos projetos. Estamos envolvidos hoje em 5 ou 6 projetos sociosesportivos na comunidade.
Revenda - O Centro Educacional Francisco Farias funciona para toda a comunidade ou apenas para funcionários da Stam?
Gustavo Faria - O Centro Educacional foi criado em maio de 2006 e ela tem a estrutura dentro da empresa, funcionando em quarto salas de aula em parceria com o Sesi. Hoje é exclusivamente para os funcionários da Stam porque está dentro do espaço físico da empresa. Ja formamos cerca de 200 funcionários, e a festa de formatura acontece sempre com a festa de fim de ano da empresa, envolvendo cerca de 4.000 pessoas. O funcionário que está há muito tempo sabe da seriedade e benefícios que oferecemos. Era muito comum termos funcionários que trabalhavam há muito tempo e não tinham qualificação educacional, mas tinham grande capacidade profissional, e ficaram acomodados. Atualmente estamos conseguindo quebrar paradigmas de chefe estudando na mesma sala com um subalterno.
Revenda - Qual é a participação dos funcionários nos projetos socioambientais da empresa?
Gustavo Faria - Eles se entregam aos projetos com muito amor, como nos cuidados com o jardim interno que temos, muito bonito, ou preocupando-se em cuidar do rio que passa na indústria, cuidando da sua preservação e evitando jogar residuos nele. Temos todo um processode tratamento dos resíduos químicos que precisam ser tratados antes de voltar ao rio e também coleta seletiva de lixo. É um processo evolutivo e sempre digo que duas coisas se perpetuam em uma empresa: a desordem e a bagunça. Se você está andando em uma ambiente todo sujo, não vai se preocupar com a sujeira; mas, se trabalha em um ambiente limpo e organizado, isso reflete na sua conduta, na sua casa. Para a nossa casa ficar bem, precisamos respeitar algumas condutas.
Revenda - O sr. acredita que as ações sociais e ambientais deveriam ser obrigatórias nas empresas brasileiras?
Gustavo Faria - Acredito que o Governo Federal deveria fazer uma manutenção e acompanhamento dessas políticas socioambientais das empresas. Hoje estamos falando com muita naturalidade da reduçao do IPI , mas poderíamos mostrar outras ações. Pode parecer utopia, mas imagine se todas as empresas tivessem um porcentual para investir na sua região, em ações socioambientais? Seria outra coisa. Veja o nosso exemplo: quem melhor do que eu para saber exatamente os problemas da comunidade, os problemas locais? Quando exponho a imagem da empresa nos canais de comunciaçao local eu estou falando para a população, e o meu objetivo é multiplicar. O empresário brasileiro não pode ficar isolado da sociedade. A melhor coisa que temos de fazer nesta vida é ajudar, primeiro atendendo aos problemas dos outros. Temos a missão de melhorar e fazer o bem ao próximo. Quando vemos no rosto ds crianças um olhar de esperança, isso se sobrepõe a qualquer insegurança. As coisas seriam mais simples se os empresários brasileiros fizessem com mais seriedade ações sociais nas comunidades.
Revenda - Qual é o investimento feito pela Stam?
Gustavo Faria - O lado educacional da Stam consume grande parte dos investimentos. Estamos aplicando R$ 300 mil em educação no e esporte. Entendemos que as duas atividades caminham juntas. Temos o projeto Gol de Placa em que são atendidas 400 crianças na região, e fizemos parcerias com escolas para aulas de reforco. É um projeto parelo chamado Craque de bola, Craque na escola. São aulas de reforo escolar de Matemática e Português. As aulas são realizadas uma vez por semana, às quartas-feiras, nas dependências do batalhão da Policia Militar local, o que também ajuda as criaças a ter respeito à instituição. A PM está muito feliz com o resultado do projeto. Estamos sempre avaliando, claro que com um limite, investir na maior gama de projetos sociais sem ser repetitivos. Hoje temos futebol, atletismo, vôlei, educação artística e educação social. A comunidade conta com a Stam pois sabe que a empresa está sempre envolvida em projetos sérios e isso dá uma credibilidade muito grande. Isso vem lá de trás, com o trabalho iniciado pelo meu pai.
Revenda - Agum funcionário que frequentou a Escola Francisco Faria, graduou-se e voltou a trabalhar na Stam?
Gustavo Faria - Sempre selecionamos para trabalhar na empresa funcionários com graduação que tenham potencial para subir na empresa. Todo mundo sabe que o metalúrgico começa a trabalhar das 6 da manhã até às 4 horas da tarde e acordou às 5 da manhã. Fornecemos o estudo após o trabalho, pois, se ele quer estudar, ele quer crescer. Quando criamos o centro educacional não foi para a Stam, mas sim para oferecer uma oportunidade para os funcionários enquanto cidadães. Uma oportunidade para a vida deles.
Revenda - Como a empresa lida no dia a dia com o meio ambiente para a fabricação dos seus produtos?
Gustavo Faria - Lidamos com muita cautela. Temos todas as licenças e somos inspecionados constantemente pelos órgãos responsáveis. Temos uma estação de tratamento de água de afluentes que é a menina dos olhos da Stam. O equipamento foi importado da Itália e retira o excesso de poluentes da água que é uma coisa absurda. Essa borra é incinerada em fornos e tudo é controlado pelo Ministério do Exército. Os funcionários sabem da importância que é cuidar do verde, pois estamos em uma cidade cercada pela mata.
Revenda - Estão previstos outros investimentos?
Gustavo Faria - Temos um projeto que está sendo formatado e acredito que para 2010 vai acontecer que é a Fundação Stam. Estamos negociando um espaço físico na cidade onde vai funcionar a fundação que será um espaço sóciocultural-esportivo de referência. Vamos tentar abordar a questão das crianças de rua, tirá-las do convívio do tráfico oferecendo escola de teatro e esporte. Parece chavão, mas o futuro do Brasil está nascendo todos os dias e, por isso, precisamos dar um carinho, um estímulo, muito mais do que simplesmente dinheiro. É esse trabalho que estamos nos propondo a fazer.
Publicado em 24 de agosto de 2009 por Equipe ConstrucaoTotal
 
Publicidade
 
sp sp sp sp sp sp sp